Um abrigo (onde eu possa sonhar e ser eu mesmo)

  So what becomes of you my love When they have finally stripped you of The handbags and the gladrags That your poor old Grandad had to sweat to buy you   *** No que consiste o medo? O que nos leva a tê-lo? Às vezes creio que meu maior temor é ter medo. O … Continue lendo Um abrigo (onde eu possa sonhar e ser eu mesmo)

Todos estão esperando

O médico falou dois meses. “Coloque tudo em ordem, porque em dois meses... bem...”. Dois meses. O que eram dois meses para a maioria das pessoas? Na maioria das vezes elas esperavam ansiosamente para que os dois meses que faltavam para o Natal passassem rápidos. “São apenas dois meses”, alguns diriam ao se despedir do … Continue lendo Todos estão esperando

Poético

Ele sentou-se no banco livre e abriu seu livro. Um livro de poesias, ele odiava poesias. Tentou ler uma estrofe, não entendeu nada. Releu, forçando a visão. A vida já não era como antes Todas as lembranças eram apenas resquícios de uma tarde esquecida Todos os sons, ruídos de uma voz sem rosto Ele riu. … Continue lendo Poético

Rotina mata

Não sei sobre o que exatamente eu quero escrever, só sei que eu tenho muito — ou nada — para falar e não sei como organizar tudo, eu acho. Então, preparem-se para um texto talvez bipolar e um tanto quanto contraditório, falsamente filosófico, pretensioso — e uma palavra que eu aprendi o significado recentemente e … Continue lendo Rotina mata

The Office: A inesquecível vida no escritório

Passei esse fim de semana inteiro assistindo à última temporada de The Office. Não sou de maratonar séries, mas havia milhares de motivos para eu não deixar a TV enquanto não descobrisse como se encerraria o “documentário” sobre a filial da Dunder Mifflin em Scranton, Pensilvânia. Não foi de ontem que descobri que The Office … Continue lendo The Office: A inesquecível vida no escritório

Fragmento

Tenho que dormir, já passa das dez e a noite é curta. Os galhos secos das árvores batem no meu telhado e as folhas pequenas e amarelas entopem a calha. O ar está cedo, o vento morno. Tento me lembrar das suas últimas palavras, mas apenas a imagem daquele bêbado jogado na sarjeta me vem … Continue lendo Fragmento